segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Mulher que ganha mais que o homem está mais sujeita a ser traída

Notícia saiu no R7

Os homens que ganham menos que suas mulheres são mais propensos a traí-las, de acordo com um estudo divulgado nos Estados Unidos. A hipótese dos pesquisadores é que eles tentem restabelecer a identidade de gênero, por se sentirem ameaçados.

De acordo com o levantamento, que analisou pessoas de 18 a 28 anos que fossem casados ou morassem com seus companheiros, os homens que são completamente dependentes financeiramente das parceiras são cinco vezes mais suscetíveis a trair do que aqueles que ganham o mesmo que elas. A ligação entre dependência econômica e infidelidade desapareceu quando foram levados em conta fatores como idade, nível educacional, religião e satisfação com o relacionamento.

Christin Munsch, candidata a doutorado de Sociologia da Universidade de Cornell e autora do estudo, diz que "ao menos um desses fatores sempre influencia a relação".
– Por exemplo, pode ser que o homem que ganha menos que a mulher está mais infeliz e trai por estar se sentindo assim, não necessariamente por causa do dinheiro.

A pesquisadora conta que "ganhar menos do que a mulher pode ameaçar a identidade de gênero dos homens, ao colocar em dúvida a noção tradicional do homem como o suporte da família"

– Esta relação pode ser particularmente forte em certos subgrupos para os quais a masculinidade tem tradicionalmente grande valor, como os homens latino-americanos.

Se uma mulher é a base econômica da família, também é mais propensa a enganar seu companheiro, diz o estudo.

No geral, as mulheres são 50% menos propensas a enganar seus companheiros, sejam quais forem as circunstâncias. Segundo a pesquisadora, 6,7% dos homens nos Estados Unidos foram infiéis as suas mulheres num período de seis anos, contra 3,3 das mulheres. Munsch diz que "a feminilidade das mulheres não está definida por seu status econômico e também não se define por suas conquistas sexuais".

– Portanto, a dependência econômica não é uma ameaça à feminilidade. Mas, em função da dupla moral sexual, é provável que a dependência econômica leve as mulheres a serem mais fieis.

...Munsch analisou dados de 1.024 homens e 1.559 mulheres casados ou concubinos há menos de um ano.