sábado, 2 de julho de 2011

Megahair pode ser proibido na Inglaterra - O principal motivo é o aumento da queda de cabelo relatado por mulheres

A Sociedade Britânica de Tricologia pediu a proibição do megahair devido ao dano que ele poderia causar aos cabelos. Segundo especialistas, o processo provocaria alopecia por tração, que arranca os fios pela raiz gerando falhas no couro cabeludo. O problema seria resultado da força inadequada aplicada com a técnica e também da ação da cola, utilizada para unir o fio natural ao cabelo comprado.
De acordo com Steve O'Brien, do Centro de Tricologia de Londres, houve um aumento de 15% dos pedidos de ajuda nos últimos dois anos. Para a dermatologista Samar Mohamad El Harati, do Hospital São Luiz, em São Paulo, o problema não é novo. “Só que agora o megahair está mais acessível e na moda. Por isso o problema se tornou mais comum”, analisa.


Ademir Júnior, dermatologista especialista em tricologia, afirma que nem todas as mulheres desenvolvem esse tipo de queda de cabelo. “Se o megahair for usado por pouco tempo e com os devidos cuidados, o risco de perda capilar é muito menor”. O médico acredita que a principal causa de problemas com os apliques é a falta de orientação de clientes e profissionais. “É um exagero proibir. Deveriam criar um termo informando os riscos e cuidados necessários para realizar tal procedimento”.
Reverter o quadro de queda de cabelo é possível – pelo menos parcialmente. É necessário algum tempo de tratamento e, mesmo assim, a recuperação pode não ser completa. “Ao perceber uma queda de cabelo, a mulher já deve procurar um dermatologista”, alerta Samar.

Flávio Priscott, um dos cabeleireiros mais conceituados em alongamento de cabelos, afirma que o problema não está no megahair, mas no profissional que o aplica. O cuidado na escolha do material adequado e de qualidade e o domínio da técnica são essenciais para o sucesso do procedimento. “Se o megahair for corretamente colocado e estruturado, não acontece nada”, diz.

Acostumado a alongar as madeixas de globais estreladas como Isis Valverde, Letícia Sabatella e Alinne Moraes, Priscott ainda completa: “Alguns profissionais não têm noção e colocam excesso de peso nos fios para ganhar mais dinheiro ou porque não sabem mesmo”, diz o especialista.

*BBC Brasil.